DESEJO
(Vitor Hugo)

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você sesentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
Eque pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga `Isso é meu`,
Só para que fique bem claro quem é o dono dequem.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar esofrer sem se culpar.
Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
Eque se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar.

O NATAL DEPOIS DO NATAL QUE NÃO HOUVE



              Faz um ano, agora. Foi o ano em que não houve Natal, a não ser aquele maquiado, para o turista ver. Assustada com tudo o que acontecera, eu estava vivendo em poucos metros quadrados, no depósito de livros de uma editora, sem fogão, sem geladeira, sem chuveiro... SEM JANELA! Sentia-me uma privilegiada, no entanto, pela privacidade que tinha, pelos banhos de balde, pelo ventilador, por ter dinheiro para o restaurante e a padaria, pelo acesso em tempo integral a um computador e à Internet, depois que ela voltou a funcionar.  Quando me cansava de trabalhar ao computador, esticava um colchonete de camping dentre as caixas de livros e dormia, sob os cuidados do meu cachorro, que nem adulto ainda não era.
            Era bem diferente a situação das pessoas que estavam no abrigo público mais próximo, no entanto. Além de todos os desconfortos da falta de privacidade, havia as lembranças e a grande falta de perspectivas. Suas casas tinham explodido em um segundo, conforme me contou o artista plástico Tadeu Bittencourt que acontecera com a casa dele e conforme eu própria vira explodir as casas dianteiras do lugar onde morava – e as casas escorreram morros abaixo junto com os morros derretidos, e assim como as casas, sumiram também os terrenos, e já não havia para onde voltar.
            Naquele angustiante tempo de Natal, eu costumava tirar um tempinho para ir lá no abrigo fazer companhia àquela gente – não havia muito o que fazer, mas eu sentava lá e eles me contavam das suas vidas, e acho que isto era o melhor que eu conseguia fazer. Lembro muito de um senhor já idoso chamado seu Jacinto, que me contava de como trabalhara a vida inteira, de como criara os quatro filhos, de como fizera a casa dos seus sonhos, de como comprara redes espreguiçadeiras para a larga varanda de 54 metros quadrados onde recebia os filhos nos dias de festa, e de como ele e a mulher se deitavam nas redes, na hora do por do sol, e ficavam olhando a paisagem e se certificando da sua felicidade...
            Tudo aquilo sumira num segundo, e seu Jacinto era apenas um entre tantos, entre tantos, naquele abrigo e em tantos outros... Sou pródiga em primos, amigos, afilhados – poderia ter passado a noite de Natal em diversos lugares, mas achei que naquele ano, o ano passado, deveria estar com aquela gente naquele momento mágico que marca o meu ano. Foi bom. A cientista social Luzia e um lindo soldado de 18 anos se desdobraram na cozinha e usaram das muitas doações que a generosidade de todo o país mandara para a nossa cidade para fazerem uma ceia condigna, com quatro grandes perus recheados e mesa decorada com folhas das árvores circundantes. Eu fiquei ali ouvindo as histórias daquela gente até a madrugada, e o Natal se foi.
            Faz um ano, agora. Choveu dinheiro de todos os lados para resolver a situação de toda aquela gente que estava desabrigada faz um ano. Veio dinheiro de doações (tenho os números das contas bancárias das quais nunca ninguém jamais viu um extratozinho que fosse) e tenho cópias dos documentos de repasses de verbas milionárias que o Governo Federal fez para o governo do Estado de Santa Catarina – sempre  há aqueles espíritos de porco que dizem que o governo do Estado não distribuiu o dinheiro, mas então, como é que os demais municípios atingidos pela catástrofe estão fazendo as obras e as casas necessárias? Sei que choveu dinheiro,  mas os desabrigados de Blumenau, um ano depois, continuam nos tais abrigos provisórios. Indagorinha estive num deles para fazer uma visitinha ao seu Jacinto e sua mulher, e vi bem como é: a prefeitura alugou grandes galpões (claro, houve também o escândalo dos galpões superfaturados – não é exagero meu, saiu em todos os jornais, inclusive os da situação), e lá se vive, eu diria, mais que precariamente. Vou tentar contar um pouquinho:
            O galpão onde fui é alto, com teto de zinco. Imaginem o calor que fica sob aquele zinco nos 40 graus que faz nesta cidade – forno puro! Sob aquele zinco, tabiques de madeira à meia altura dividem famílias em cubículos, onde elas se amontoam, cada um ouvindo tudo o que se passa por detrás de todos os tabiques,  enquanto aquele dinheirão todo... cadê o dinheiro da reconstrução?
            Seu Jacinto me falou dos três containers que servem de banheiro para aquela gente toda – quantas pessoas? 150? 200? Disseram-me que há abrigo com mais de 450 pessoas...
            E então há a cozinha coletiva. As pessoas se organizaram, cada família ficou com duas bocas de fogão, e toda aquela gente cozinha e frita, frita bife, frita batata, frita banana... Todos os odores daquelas frituras todas viajam pelo oco entre os tabiques de madeira e o teto de zinco, e há um onipresente cheiro de fritura impregnando tudo, e tudo cheira a gordura rançosa, e a gente faz de conta que aquilo não está acontecendo, que se está mesmo na casa do seu Jacinto, e era assim que eu estava lá quando caiu uma chuvarada, e o barulho no zinco era tão grande que se tornava impossível continuar a conversar.
            É assim que está sendo o Natal de um ano depois do Natal que não houve. Tive a sorte de vir morar numa casinha que tem até cheiro de flor, onde crianças vem brincar na minha varanda  e há até estrelinhas luminosas do lado de fora da janela. E os que não tiveram sorte, como vai ser? Estão lá, assando sob o zinco, tomando banho em containers, sem privacidade, impregnados de cheiro de fritura...  As pessoas já pouco lembram deles...
            Quando se fará justiça nesta minha terra?


                Blumenau, 22 de dezembro de 2009.

                Urda Alice Klueger
                Escritora

FALANDO DE VOCÊ


de Vaneska M. Pegoraro,
para Marilda Confortin

Cabeça baixa,
passos firmes,
bom dia com a voz rouca,
perfume ao vento.

Às vezes nem isso ouvíamos,
depois de algum tempo,
ouvia-se um suspiro,
como quem pensa em algo que não volta.

Às vezes a risada entrava primeiro,
depois a festa de lhe ver animada
tomava conta de tudo.

Cabeça baixa,
passos firmes...
Sabíamos que a reunião havia sido mais que cansativa.

Às vezes o companheiro inseparável se queimava entre seus dedos,
queimando junto cada palavra não dita,
cada injustiça sofrida.

Cabeça baixa,
passos firmes,
perfume ao vento,
sorriso aberto,
dedos sempre em figa.

Às vezes era nítida a vontade de foragir-se
desse mundo, de si própria, ouso dizer!

Às vezes não permitia ser sensível,
deixando que as pessoas lhe agradassem.

Se para muitos era uma forma de puxar-lhe o “saco”
para outros era a sincera vontade
de fazer um mimo para quem se quer bem.

Às vezes as pessoas simplesmente passam,
e logo são esquecidas.
Às vezes, algumas pessoas marcam a vida da outra
sem nem mesmo ter noção disso,

Às vezes, pessoas como você
ficam gravadas no coração, na alma,
não por algum motivo especial ou heróico,
mas por ser uma pessoa que tem amor incondicional pela vida.

Cabeça baixa,
passos firmes...
peito aberto para desvendar o que quer que seja,
isso é falar de você, para você e,
com você sempre estarei, enquanto permitir.

Vaneska M. Pegoraro
16/12/2009

Vaneska trabalhou comigo na Secretaria de Educação.  Observadora, inteligente, sensível. Sacava meu humor só pelo barulho dos meus pés entrando no departamento. Às vezes tentava me acalmar, mas, sou meio ouriço... em vez de aceitar, eu largava espinhos em cima dela. Grande amiga. Mesmo naõ pertencendo mais à equipe de trabalho, não esquecerei de você e desse quarteto fantástico. Obrigada.
da esquerda: Vaneska, Angela, Marilda, Janice

Crise existencial

                                             Na despedida da Marilda





                              Trilhar o desconhecido
Gritar o que te sufoca
Demonstrar tua raiva
Sair desse marasmo

Calar quando não tem certeza
Sucumbir ao que te emociona

Hibernar tua angústia
Magoar-se com a injustiça
Ignorar o que te consome

Viajar ao seu íntimo

Hibernar quando necessário
Ligar quando tiver vontade
Refletir sobre o que te preocupa
Estressar-se com o que não concorda
Sorrir quando tua alma quiser se desvelar

Rir quando teu corpo pedir

Chorar sem o sentimento de fraqueza
Entregar-se sem medo do fracasso
Temer a maldade alheia

Sonhar com a perfeição impossível
Assumir tua responsabilidade
Despir essa vergonha
Mostrar a tua cara

Arriscar sem garantias
Duvidar do que te prometem
Desejar o que te faz bem

Curtir os pequenos prazeres
Viver com alegria
Aprender a cada momento
  
Angela Cristina Cavichiolo Bussmann - 15.12.2009


telefonemas podem constranger
um telefone brota do silêncio balançando meu olhar
trinados no ar concedem cara aos olhos do susto
borboletas me mordam, quem fala?
diz a voz vomitando da garganta o marrom da surpresa
distante 1.000 km o outro som demora dois micros segundos
para se associar à mente receptora
é a memória imprimindo-se no meu HD em contraluz
é o corpo imagem da voz logo reconhecida
boa noite! e a voz explicita o que não é mais preciso
agonia-me agora que ela se apagou na caixa de metal em seu mutismo
uma cachaça é preciso degustar para a intransigência da notícia
alguém diz que vem
meu corpo mais do que minha vontade não querem ser hospedeiros
levanto-me caio na noite como quem cai de um penhasco
sorte que o despenhadeiro tem apenas metro e meio
torço o tornozelo da arrogância
mendigo uma lástima
ninguém para dá-la
ninguém para aliviar e agora sou mal
talvez assassine alguém naquela esquina
talvez me jogue debaixo de um trem
fuga da fuga, pois aqui não passam estes monstros de ferro e desespero
hoje não é noite de assassinos e suicidas
melhor entrar num cinema e ver um velho filme de Godard
correndo com carros alucinados pela cidade
melhor mais dois goles de cachaça ou um malbec de Mendoza
caso sobre algum para isto
vou ligar de volta
enxotar o susto com meus ouvidos
completamente tamponados para vozes distantes
quem sabe ainda haja tempo e brote um:
__desculpe-me; foi engano
Tonicato Miranda
Curitiba, 22/Jun/2009.

-------------------------------------------------------------

SHOW DA ORQUESTRA DE VIOLA E CANTORIA, NO GUAIRA DIA 12/12
FAREI UMA PARTICIPAÇÃO ESPECIAL
RECITANDO MINHA POESIA "TEMPORAL"




Velho Boêmio

Ele chega
atrasado, cansado,
se queixa,
amolece, enternece
e se ajeita em meu colo
pedindo consolo.

Daí ele pega e me beija
pergunta o que fiz,
nem espera e me diz
que tudo vai melhorar.

Fala que a lua
tá linda lá fora
e qualquer hora
me leva passear.

Vem com as mãos cheias
de bolhas (de samba)
e da manga do paletó
tira uma flor amassada
e me diz:
- Tó, amor, não fique zangada,
encontrei um amigo na estrada ...

Finjo que brigo
no fundo não ligo,
faz parte do jogo.

Jogado na cama
ele jura que me ama,
respondo: Eu também...
Agora e na hora de nossa morte amém

COMA


poema de JB. VIDAL

nasço e inauguro em mim a trajetória da morte,
início e fim, siameses do útero à campa,
como fonte, me insurjo, resisto,
consciente de sua presença, prossigo
sepultado vivo na matéria,
com a alma esgarçada na miséria
de um momento que ela mesma desconhece,
não há passado para o início não haverá futuro para o fim,
o que será dos meus pensares?
da razão? o que ficará dos sentidos?
das agonias, dos sofreres,
dos sentimentos, penso profundos,
o que será dos meus saberes?
não me falem de exemplos,
experiências, conhecimentos,
como óbolos para quem vem a seguir,
para eles há futuro, esquecer
não me venham com alegorias cenobitas,
relações de fé-imagem, palavras-reveladoras,
crenças obtusas oferecidas em sacras mansões, não!
digam apenas que estou louco,
que me debato em trevas,
que abreviei a trajetória,
que vivo morto por querer viver depois…

Poetrix


poetrix


MESTRA CRUEL - poesia


Poetas e Músicos da Noite Curitibana
dias 1, 2 e 3 na Biblioteca Pública




MARILDA POETA

Por Cláudio Fajardo

Ela ensina as palavras a falarem
Ela ensina as palavras a amarem
Ela ensina as palavras a andarem
Soltam-se e andam sozinhas
Andam pela vida,
vão pelas ruelas,
pelas estradas de chão,
pelo fim do caminho.


Amam no Largo da Ordem
Soltam-se dos dicionários
Animam-se, animam
Animam o animal homem,
Mulheram a vida.



Recebi essa homenagem do ilustre paranaense Cláudio Fajardo, atual diretor da Biblioteca Pública do Paraná. Um homem ligado à luta revolucionária, professor universitário, critico, poeta e amante dos livros. Para conhece mais a história dessa figura que marcou e marca a história do Paraná leiam uma entrevista que ele concedeu ao Thadeu Wojciechowski : http://polacodabarreirinha.blogspot.com/2005_09_01_archive.html

Eu fiquei muito emocionada com o poema e só depois de três dias, consegui me distanciar do alvo e lê-lo como como se não fosse dedicado a mim, sentindo a força da palavras, a beleza das metáforas, a contrução inteligente e sensível do poema. Como eu disse ao Mauro Barbosa, eu nem sabia que o Fajardo me sabia...  É provável que ele nunca leia esse comentário agradecido, mas isso não importa. Meu carinho e admiração por ele é eterno. 



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...