NUNCA DIREI: - TE AMO!


Nunca direi – Te amo! Posto que é desejo santo
E traz teu rosto – Miragem que pousa na retina -
Basta!! A primavera garante que elas acabaram
: É o fim das lágrimas. Líquidos apenas outros -
Nosso Gozo. Ainda que embaçado pelas folhas
Do outono que vivemos – É vermelha a flor que
Rola pela alameda e é vermelho o telefone que
Traz este mar sonoro – Alma ancorada em voz
E quando suplicas que eu te consagre em rito
Eu me banho incensada em orquídeas, jasmins
E quando amanhece e meu ser desperta – Eis:
A primeira miragem – teu rosto dentro de mim
Tu que estás dentro de mim, tu que estás aqui
Dentro de mim. Teu sopro corpo palavra e pau
Dentro de mim. Teu olhar – vidro que parte as
Paredes e me invade. Logo ali a garota sonha -
Tolices ancestrais: Amor eterno casar ser feliz
A pássara que rega com sua aura o raio da lua
Morre de pena da garota que crê – Amor esta
Utopia Mor. O teu grito é o eco do meu – Nós
Cremos sim é no desejo insano inaugurando o
Sol ardente de Eros e a Lua escandalosa dela –
Poderosa Afrodite – Neste intercâmbio voraz:
Tua sutileza que abre minha vulva sem tocar;
Minha loucura: A endurecer teu pau e eriçar
Pelos – Nós nos buscamos na manhã – Neste
Tudo de amar. E quando despes meu vestido
Nada acima da pele. Nada no ar. A não ser a
Canção. Nada a passear no chão – E o mundo
Não sabe que ali – naquela janela – É o Éden
A coberta da cama agora é nuvem. Soro vivo
– teu sêmen que me lava poro a poro. - Sim!
A consagração da vida em coito puro a curar
Todo o cansaço, agonia, dores, temores gris
:: O desejo saciado é o céu que nos visita ::
:: O desejo saciado é o amor envelhecido ::
O desejo é um velho sábio, que sacode o ar
E segue sua trilha morto de pena do amor -
Este impostor – Que há séculos e séculos e
Séculos amém nubla esconde a dádiva mor
- Eu te desejo – Tu me desejas
Utopia não nos sacia. Só o desejo -
Só o desejo que chegou sem aviso
Registro, AR – telegrama onírico à
Nossa frente – A nos gritar para não adiar
Teu desejo – Meu desejo – Murmuramos:
Eros nos Proteja! Nos Proteja! AMÉM


Bárbara Lia

 

do site da autora: Chá para as borboletas

Paca, tatu, confia no pão - de Tonicato Miranda




Paca, tatu, confia no pão
Tonicato Miranda
De repente observo, pastor, padre
político, polícia, anote, marque:
todos começam com a letra “p”.
Não gosto de nenhum deles,
mas gosto de pintores, de pedreiros,
de todos pães, também de padeiros.
Não gosto de pepino, de pé de porco,
de paleta, de pica de porco ou de zebu,
mas gosto de picanha, como com gosto.
Pamonha? Gosto, mas não de palhaços,
de palhaçada, da paliçada da indiarada,
nem da palmitada no chão, arrasada.
Gosto de porco, peru – de caralho não.
Gosto de panqueca, de pastel, de pizza,
mas a dos políticos, passo – ela cisca;
se pudesse passava todos na bala,
pendurava-os em parede de pregos
ou passava no fogo de parabeluns.
Gosto de Portugal, das portuguesas,
das províncias, do Porto, de Portimão,
não gosto da tv deles e sua programação.
Gosto do Pluto, o cachorro do Pateta,
do Peninha, mas não gosto, entorno o balde
dos putinhos dos sobrinhos do Pato Donald.
Não gosto do Paraíso, mas gosto da Penha,
da Paulista e de putas regiões como a Mooca.
Paulicéa, preciso descobrir mais uma loca.
Gosto do sulfite, papel manteiga na rosca,
pergaminhos e de projetos, quem não gosta?
Mas não de papel higiênico com única folha.
Gosto de parque, de praia, a pele nua da boa
e da tua, mas não posa de potranca, embora
goste da tua anca e da popa, minha patroa.
Deriva pra lá, Pacífico adentro, partindo
daqui de Paranaguá, rumo ao mar do sul
para lá da Lagoa dos Patos, leva um patuá
sorte terá na travessia do “P” ao céu azul.
Curitiba, Jan/2011.
TM
OUTRA POESIA - ZEZÉ E SIMÕES

No Show Outra poesia, Zezé e Simões percorrem pessoas e lugares muito especiais sempre com suporte na melodia e harmonia da paisagem. Celebram a soberania da esperança que zela para que os caminhos não parem de fluir. Abordagens diversas, as canções se entrelaçam num ponto comum a todas as pessoas: A necessidade do ser.
Outra poesia quer voltar ao pomar das belas palavras, ao substancial nas coisas aparentemente banais, à virtude do querer, à práxis, ao fazimento. Quer exercitar a gentileza, redescobrir a ternura e revelar a beleza distraída.

ah meu filho



Ah... meu filho...
Quando é que você vai crescer?
Quando vai aprender
a descascar cebolas
sem chorar por elas?

Protege esse peito do frio,
calce sapatos,
cuidado pra não se ferir
nos próprios cacos.

Quando é que você parar
de amar tanto,
deixar de ser santo
aprender a ser mau
igual àqueles que partiram,
que feriram seu coração?

Ah... Meu coração....

Quando é que vou aceitar
que você já cresceu
e não tem medo
de se machucar
feito eu? 

livro eletrônico de poesias escrito por alunos

Resultado da SEMANA DA POESIA da Escola Básica São Pedro - março 2011
Autores e Ilustradores: Alunos do 3º ano 


                                                   
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...