Direitos Autorais - Última fase da revisão da Lei

Entre os dias 25 de abril e 30 de maio, o anteprojeto (APL) que modifica a Lei de Direitos Autorais receberá contribuições da sociedade. O período de sugestões – cujo objetivo é aperfeiçoar o texto – inicia a última etapa de elaboração da proposta final a ser apresentada pelo governo ao Congresso Nacional.


Principais pontos que estão sendo discutidos pelos autores:
1. Limitações aos direitos do Autor (Arts. 46,47, 48 e 52-D);
2. Usos das obras na internet (Arts. 5º, 29 e 105-A e 46, II);
3. Reprografia das obras literárias (Arts. 88-A, 88-B, 99-B);
4. Da Obra sob encomenda e decorrente de vínculo (Arts. 52-C);
5. Gestão coletiva de Direitos Autorais (Art. 68 §§ 5º, 6º, 7º e 8; arts.86, 86-A,98, 98-B, 98-C,98-D, 99 §6º, 99-A, 99-B e 100);
6. Supervisão estatal das entidades de cobrança e distribuição de diretos (Arts. 98§2º, 98-A, 100-A, 100-B, 110-A, 110-C);
7. Unificação de registro de obras (Arts. 19, 20, 30, 113-A).

Conheça a lei e opine agora ou cale-se para sempres
site para ler o projeto e enviar sugestões, criticas, dúvidas:  
http://www.cultura.gov.br/site/2011/04/20/ultima-fase-da-revisao-da-lda/

..." e só funciona Curitiba se eu quiser" - Osso

Ouvi esse poema lá pelos idos de 2002. Foi quando conheci o Osso e a Cláudia, um casal simpático de músicos curitibanos, que me foi apresentado ou melhor presentado, pelo Raymundo Rolim. No mesmo dia, pedi para o Osso me dar uma cópia do seu poema. Ele escreveu um trecho do poema num guardanapo do Café & Cultura. Dias desses, revirando meus guardados, encontrei-o (o poema). O Osso e a Cláudinha faz séculos que não encontro. Onde estão essas figuras? Saudade...


PARO TODO O MOVIMENTO DO ESTADO
E SÓ FUNCIONA CURITIBA SE EU QUISER
Autor: Osso - poeta e músico curitibano



Se eu chegar em Curitiba aperreado
Faço logo um tremendo sururu
Eu adentro o palácio Iguaçu
Paro todo o movimento do estado
Vou mandar sair todos os deputados
De um em um pra o lugar aonde quer
Pra o lugar que melhor lhes aprouver
E com eles podem ir os seus favores
Vou mandar prender todos os vereadores
E só funciona Curitiba se eu quiser.

Itaipu vou deixar desmantelado
Vou quebrar as barragens e as turbinas
Quebro quadros e depois quebro bobinas
Para todo o movimento do estado
Transformador um por um deixo quebrado
Eu rebento toda torre que puder
Transmissão e toda linha que tiver
Eu estouro toda ela em meio dia
De Itaipu nunca mais sei energia
E só funciona Curitiba se eu quiser.
Prendo guarda civil, prendo soldado
Comandante e chefe do estado maior
O tenente, o capitão, cabo e major
Paro todo o movimento do estado
Vou deixar todo mundo bem pasmado
Acabando as forças armadas que houver
Tranco os bancos, deixo as zonas sem mulher
Tapo as águas do rio Piquirí
Corto o curso do rio Ivaí
E só funciona Curitiba se eu quiser.

Prendo médico, prefeito e advogado
Prendo juiz de direito e promotor
A embaixada, o senado e o governador
Paro todo o movimento do estado
Os correios, a imprensa, o consulado
Emissora eu não deixo uma sequer
Fecho as favelas, o Guairá, a Emater
Paro o trânsito, não passa mais ninguém
Da rodoferroviária não sai mais trem
E só funciona Curitiba se eu quiser.

Chuva

Este poema é de autoria de Cleci Rita Confortin, minha irmã querida. Encontrei-o no baú, esquecido por ela e por mim. Dei-lhe uma roupagem visual e resolvi expô-lo no blog para homenageá-la.

ÓLEO SOBRE TELA - MÚSICA DE GEGÊ FÉLIX + POESIA DE MARILDA



Óleo sobre tela

Pouso meus olhos sobre telas de Van Gogh.
Deito-me ao lado do ceifador
e adormeço sobre feixes de trigo.
Cena familiar.
Cedo ao sonho.
Retrocedo à infância.
Vejo-me criança, pura
feito a loucura do pintor.
Inerte, braços abertos,
fingindo-me espantalho
no meio do trigal maduro.
Um gérmen ainda.
Nem sabia o que era poesia
e já sentia.
Os pássaros pensam
que meu cabelos brancos
são feixes de palha.
Espanto-os.
Da janela do sanatório,
Van Gogh se espanta e pinta
corvos sobre o campo de trigo.
Acordo.
Kurosawa sonha comigo.

COSAS DE MUJER - POESIA

Faísca de vida



Fazia tempo que eu não via a lua,
não saia à rua,
não entrava na tua.

É que com o tempo,
o tempo fechou.
a neve caiu
e eu fiquei assim...
a ver navios.

Não fosse o relâmpago dos teus olhos
eu nem lembraria
que um dia existiu céu.

Marilda/abril/2011

Sonia Godoy - 16/09/1948 – 31/03/2011

SONIA MARIA FERREIRA DE GODOY, paulista, poetrixta maior, amiga, minha grande incentivadora, assim se definia:
"Sou uma psicóloga que não respeita limites e que, quase sem vergonha, se aventura em todos os campos do trabalho e das artes. Escrever é paixão pela palavra, pelo texto que organiza desorganizadamente o interior inquieto e rebelde".
O poetrix acima, é para mim uma oração, um mantra. Invoco-o sempre.
Deixo aqui, algumas pérolas de autoria da Sonia Godoy que coletei ao longo de uma dezenas de anos, postados modestamente no grupo do MIP - Movimento Internacional Poetrix. 

ALGUNS POETRIX DE SONIA GODOY


sou da tribo


de um poema menor
menormenormenor
enorme
 
ora, palavra!

ora devora
ora aflora
hora aurora
 
No ônibus

Fala sozinho.
Conta nos dedos.
Não tenha medo - é poeta.
 
tercetos insólitos

Alcoólico, quebro pés,
em versos assistólicos.
Apostólico, vicio.
 
autorretrato

ah, tantas releituras
que perdi
o original

gotas de sabedoria

tudo passa
como tanque
na praça da paz

 

perspectivas

passar os anos
feito subir montanha:
tudo fica tão pequeno...


bom de história

que todas as guerras usem
somente as armas químicas
que Bush achou no Iraque
 

do oitavo andar
  
em queda livre,
decide:
nunca mais, nunca mais.
 

nem toda mulher

mas todos que batem
gostam
de sofismar
 
amputado

por que ainda dói
esse amor
que já não sinto?

 pequeno romance

era um amor tão pequenino
mas tão delicado mesmo
que durou sutil e doce - apenas a vida toda

contracultura bró

os big
com trastes
trans agridem
 

alegria de natal

gavetas abertas, cds espalhados
toalha molhada na cama
o filho – presente
 
quântica

malcriada
gozou o efeito
antes da causa


na corda bamba

às vezes choro sua falta
outras tantas
caio no samba

Fumante

Gastar versos com fumo - vício solitário?
Melhor saber por que cheiras diesel,
comes plástico e tens tão pouco prazer.

 

Gracias!

Depois de certa idade,
a vista fraca não separa
pecado de moralidade.
 


Fractais

Ah, por quais cristais de pedra
teu olhar me filtra e quebra
em cópias iguais a ti?
 
Lavoura (nerudando)

Deita-me tua poesia
como grãos de trigo.
Tórrida, versejarei.
 
 
Domingos

Que gritem faustos faustões.
Já vendi a alma –
à poesia


espelho velho (e bobo)

mas quando foi
que esse espelho
entortou?
Nietzscheniando I

Canto o lamento do mundo,
por quem sustenta a luxúria da arte,
enquanto janto à la carte.
 
você diz o que quer

mas eu decido
se foi promessa
ou ameça
 
lua

crê,
sente,
a cheia virá.
 

sugar free

low fat, diet chiclete
no salt, be slim
morreu aos dezessete

 
não

me leve a mal
preciso de uma dose
que seja letal

Sonia Godoy
Vai... vá lá amiga! Vai ensinar poesia pros anjos.

Que jeito ... - de Tonicato Miranda


A tarde armou o vento
O vento misturou nuvens
O céu se encheu de flocos em cinzas
Um pardal na ponta de um banco
deu de ombros
Olhei para ele e concordei
Perguntou-me o companheiro:
Será que chove?
Não sei, respondi sorrindo
Ele então me disse: até logo, vou voar!
E eu repliquei: vou me molhar!
São Carlos, numa praça, Abril/2011
Tonicato Miranda

Novo signo?

Resposta dos astrólogos brasileiros à reportagem "Guerra nas estrelas", publicada na VEJA


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...