Passos no final da tarde - de Tonicato Miranda

de Tonicato Miranda 
às mulheres que amo e sempre amarei

Quando vou andando
no final da tarde
caminho sempre solto
totalmente envolto
pelo calor se esvaindo
de um Sol que já não arde
Quando vou andando
no final da tarde
vou sempre pensando
nela e nos pássaros
a seguir meus passos
indo por pedras sem alarde
Quando vou andando
no final da tarde
de um dia bonito assim
que não queria ver o fim
penso como a vida é breve
e quão bela esta parte
Quando vou andando
no final da tarde
sinto no peito uma alegria
sou esta luz a gritar o dia
retardando para não deixar
a noite vir e roubar esta arte
Quando vou andando
no final da tarde
o coração parece todo pulsa
esta bela emoção avulsa
tenho saudade de ainda há pouco
sou um marciano sem Marte
Quando vou andando
no final da tarde
vou com meu músico mais dileto
tocando a música muito perto
meus ouvidos ouvem mais
músicas vindas desta tarde
Quando vou andando
no final desta tarde
vou amando como jamais amei
este amor de plebeu ou de rei
parece vai explodir-me no peito
de tanto que padece em amar-te
Quando vou andando
no final da tarde...
Curitiba, 29/11/2011
Tonicato Miranda

salada & leitura

Salada e leitura

Por Marilda Confortin


Ler é como comer salada. Todos sabem que é um alimento indispensável para a saúde do corpo e para o desenvolvimento da inteligência, mas poucos comem. E para piorar, muitos passam esse desgosto, esse desprazer para seus filhos, netos e alunos. Aí quando a criança fica fraquinha, apática e atrasada, os adultos começam rezar aquela velha ladainha: “tem que ler, tem que ler”. Rezar sem fé não adianta. Falar sem crer é mentir. Teorizar sem praticar é demagogia.  

Todos nós somos atraídos pela apresentação do prato de salada e pelo ritual do preparo. Se a criança vê diariamente um adulto satisfeito na cozinha, escolhendo as melhores folhas, misturando cores e formas diferentes, experimentando, sorrindo de prazer e arrumando a mesa com aquele belo prato em destaque, com certeza vai querer comer aquela salada gostosa. E não desenvolverá preconceitos contra pepinos, abacaxis e rúculas, porque saberá que algumas amarguras e acidezes são os temperos da salada da vida. São referenciais para doçuras, nos fortalecem e apuram os sentidos.  

Assim é a formação de leitores na escola. Começa pela cozinha, digo, pela biblioteca. 

Deve ser um lugar agradável, iluminado, limpo onde o estudante possa ir e vir mesmo que ainda não esteja faminto. Abrir o apetite é fundamental. Não se deve enfiar livros goela abaixo. É indigesto. A curiosidade e a fome despertarão naturalmente ao observar professores e outros estudantes da sua idade devorando prazerosamente pilhas de livros.

O acolhimento é muito importante. Ninguém deve ser empurrado ou enxotado da cozinha, digo, da biblioteca. O estudante ou professor precisa se sentir querido, acolhido naquele espaço. Precisa saber que aquela sala faz parte da sua escola tanto quanto o pátio, a sala de computadores ou a cancha de esportes. Deve sentir confiança na pessoa que “cuida” da biblioteca, pois sabe que ela é competente, capacitada e principalmente gosta muito de salada, digo, de leitura. 

Nem todas as folhas servem para fazer salada. Algumas são até venenosas ou quando mal escolhidas podem conter ovinhos de preconceitos que se desenvolverão feito pragas na cabeça  do leitor, transformando-o num adulto doente. Por isso é importante escolher muito bem as folhas dos livros servidas na biblioteca.

Mas, nem só de folhas, se faz uma salada. Pode misturar legumes, frutas, massas, molhos, etc. A biblioteca deve oferecer uma diversidade atraente que atenda todos os gostos e idades. Dos paladares iniciantes aos mais sofisticados e introduzir gradativamente outros repertórios no menu. Além dos clássicos repletos de saudáveis e deliciosas folhas de papel, deve-se oferecer também as contemporâneas e recém nascidas folhas de papel virtual, na forma de livros eletrônicos, blogs e portais. Para os resistentes ou aqueles que se atraem mais pelo recipiente do que pelo conteúdo, a biblioteca deve oferecer opções chamativas, no formato de contação de história, recital e varal de poesia, gincana e oficina, clubes e grêmios literários, filmes, música, dança, teatro, pintura, escultura, jogos, computador, enfim, depois que pegar gosto e descobrir que se pode adquirir conhecimento de muitas maneiras, o estudante não dará mais tanta importância para a cor ou formato da tigela da salada. 

Fácil despertar o gosto pela salada e pela leitura, não é? Esse foi o desafio dos nossos pais e professores. Somos filhos do século passado. Por isso a maioria de nós come pouca salada (só quando adoece) e lê menos ainda (só livros de auto-ajuda para amenizar as dores ou apostilas de macetes para passar nos concursos).  Somos uma geração raquítica...

Se a receita acima pareceu difícil, veja o que esse novo milênio espera de nós, de nossos filhos e de nossos alunos:  

- O indivíduo que não desenvolver a capacidade de acessar a informação nas mais diferentes e complexas mídias, estará fora do mercado de trabalho;
- O indivíduo que souber acessar a informação, mas não conseguir compreendê-la, criticá-la, classificá-la em boa ou má, útil ou inútil, estará fora do mercado.
- O indivíduo que souber acessar e compreender a informação, mas não conseguir traduzí-la de forma objetiva e clara, na forma verbal e escrita, estará fora do mercado
- O indivíduo que souber acessar, compreender, traduzir, mas for tímido ou egoísta suficiente para não compartilhar e não produzir novas informações, será demitido ou falirá sua empresa. 

Este é o desafio da nossa geração: Formar cidadãos leitores e escritores, capazes de acessar, compreender, produzir, reproduzir e compartilhar informações, sem explodir o planeta.
Sem energia para encarar? Coma mais salada. Leia e escreva mais...

ebook infantil

 MAS SERÁ O BENEDITO?

Este é um pequeno livro eletrônico de minha autoria com um poema infantil

A Luona du cumpadi Danié

A Luona du cumpadi Danié

O cumpadi Danié Faria, cumpanhêro de poesia e canturia me mandô um emeio preguntando se eu vi a luona de onti.

Mas craro que vi a luona, cumpadi Danié. Ficamo lá, nóis duas, uma oiando prá cara da otra com os zóio arregalado, contando história de amô estraviado. 

Ela veve vorteando a terra percurando o mardito do  homi que deito e rolô im cima dela, cravô uma bandera de possêro no seu coração e dispois sumiu, como faze tudo os homi com as pobre das muié que si intrega prá eles. 

Ela me contô que o primêro homi da vida dela foi um tar de
Neil Armstrong. Eu disse pra ela í se acostumando, porque eles são ansim mesmo. Tudo uns canáia. Conquistam a gente e despois sortam nóis suzinha num baita dum vaziu do tamanho do universo. Nóis num sabe nem o que fazê cum tanto espaço despois que eles sai dos nossos braço. Fiquemo perdida, acordada as noite intera, suspirando de sodade nas janela. Das veiz, inté despenquemo das altura e afundemo do mar de tristeza de tanta dô que sintimo.

Decramei pra ela um trechinho de uma poisia que fiz pra ela e que diz ansim ó:
" Amigas suicidas somos, a lua e eu: Enfeitiçadas por um amor platônico, sob o olhar atônito das estrelas, morremos e nascemos noite e dia. Eu, incandescente fênix. Ela, encantadora e fria ".


Vi uma estrela cair dos zóio dela. Chorô, a cuitadinha. Uivei pra ela como faiz as loba. 

Se conhecemo bem, nóis duas. Somo cumprici dessas hora que passemo varando a noite, luitando com os dragão que moram nos labirinto da gente, alumiando os caminho dos homi que amemo pra que num caiam nos barranco da vida. E eles lá, c´oas  otra, esses boêmio  malagradecido...

Bão, intão inté mais cumpadi.

Marilda Confortn

Bailarina - de Tonicato Miranda

Clique na imagem para ampliar

MAR(ILDA) - por Sérgio Edvaldo

Amigos são tudo de bom. Sérgio Edvaldo é um poeta de Presidente Prudente.  Costumamos nos encontrar nos saraus da vida. Me presenteou com esse poema. Obrigada, querido.
---------
Uma pausa na resenha sobre a teoria de Piaget.
(é por isso que saiu assim... rs... beijos)

MAR(ILDA)


sentada na areia
em tardes de Itapuã,
a menina contemplava
o mar.

cheia de si naus
vazia de solidão urbana,
com...tem...pla...va
o mar e suas ondas
sem garrafas-correio...

sentada na areia
em tardes de Itapuã,
a menina passsssss...mou-se
em ver como era pequeno o mar
(na medida de um abraço)...

e cheia de si naus
no peito um batel, leme lento,
a menina se lembrou que Moisés
abrira o mar vermelho,
e riu eternamente...

o mar menstruava
azul em seus olhos.

(Sérgio Edvaldo - 6/11/2011)
Sérgio em Armação - SC - no Sarau do Lancelot
 

Apurando os sentidos - em Itapuã


Manhãs têm gosto de orvalho.
Pequenos Quixotes lutam contra ondas de espuma. 
Crianças: adultos ensaiando tsunamis.

A tarde tem cor de sol.
Garotos pedalando na orla curvilínea. 
Adolescentes: homens ensaiando amor com suas magrelas.

A noite tem cheiro de vento.
Enamorados ensaiam pecados nos muros. 
A noite ilumina plânctons no mar. 
O amor fluoresce no escuro.


Bienal 

Muita gente falando ao mesmo tempo
e as palavras - mudas
presas nos livros.



Praça da Poesia

Primeiros estranhamentos: Jovens poetas manoeldebarrosando insignificâncias.
Últimos entranhamentos: Velhos poetas ainda buscando significados nos signos.


Entrevista com escritores
O crítico responde, embasa, enaltece, explica e disseca a palavra como se fosse rã.
O poeta se esconde, engasga, emudece, extirpa e seca suas tripas como se fosse lã.

(Marilda Confortin - 10ª Bienal do Livro - Salvador - BA - 11/11)

Crônicas de Itapuã I

O sol nem acabou de derreter no mar de Itapuã e lá veio aquele fiapo de lua, uns três palmos atrás seguindo a mesma trilha. Mas não há de ver que está correndo atrás do sol, aquela baianinha arretada? Pensa que não vi, é? Vão se esconder no escuro, lá embaixo da noite, né...

Adalberto há mais de uma hora sentado na mesma pedra que eu, assuntou:

- Ta ouvindo a pedra que ronca?

Contou que nasceu em Cachoeira e agora mora em Salvador. Todo o dia 25 de junho, Cachoeira vira capital da Bahia, me disse orgulhoso de sua terra natal. Me contou sua vida toda. Não foi uma história triste, não.

Crônicas de Itapuã II

Outra coisa muito boa foi uma cachacinha que tomei. Indicada pelo Bojan, um esloveno que trabalha seis meses aqui e seis meses na Eslovênia. Ele e sua mulher Liomar gerenciam a Pousada Poesia onde me hospedei. Eita lugarzinho gostoso. Bem que eu podia morar aqui, namorar aqui, morrer aqui.
lendo o livro Minha guerra alheia, da Marina Colassanti - na piscina da pousada que tem vista pro mar e um portãozinho no muro que já dá na areia.

Crônicas de Itapuã III


Ontem fui passear de SalvadorBus, um ônibus turístico de dois andares, igual ao de Curitiba.

O ponto do ônibus era perto da praça do Vinícius. Passei lá e dei um abraço nele. Contei que você anda ouvindo o Samba da Benção, que tem saudades da Bahia de outros tempos, que tem andado muito triste e isto me preocupa. Ele deu aquele sorriso de poeta fingidor e começou a falar aquela parte da música que os homens adoram e as mulheres detestam:“Uma mulher tem que ter qualquer coisa além de beleza. Qualquer coisa de triste, qualquer coisa que chora, qualquer coisa que sente saudade. Um molejo de amor machucado, uma beleza que vem da tristeza, de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor e pra ser só perdão”.

Pópará, seu Vinícius e seu Ton(icato). É melhor ser alegre do que ser triste, vissi? Isso de mulher ser feita pra sofrer pelo seu amor e ser só perdão é resquício da escravidão. Masoquismo puro. E homem que idolatra esse tipo de mulher é aquele tipo que casa com uma Amélia pra ter filhos e tem dúzias de amantes pra conseguir sobreviver (pensa que é Vinícius). E se não tem, fica azedo, mal humorado e tão infeliz quanto a esposa. 

Ele disse que é por isso que estou sozinha. Pode ser, meu poeta. Mas não vou me fazer de besta só pra segurar marido, não. Estar só é uma arte, uma necessidade, todo poeta sabe disso. Somando todos os momentos que passei acompanhada por pessoas interessantes que depois seguiram seu rumo, cheguei a conclusão que tenho mais horas felizes do que a maioria das mulheres casadas que conheço. Até porque a maioria das esposas não conhece o próprio marido e a maioria dos maridos deixa de se interessar pela esposa assim que ela se torna mãe.  Viver uma vida inteira com uma pessoa só e não conhecê-la é um desperdício de vida, é quase um crime. Mas isso não tem importância nenhuma nesse momento. Vamos mudar de assunto, poeta. Que tal dar uma volta em Itapuã, tomar uma cachacha de rolha...

Vinícius não pode passear comigo. Estava todo amarrado, preso em fitas de isolamento. Disseram que prenderam ele porque andou aprontando umas por aí e não que mais ficar plantado naquela praça conversando com turista besta feito eu. Senti pena dele preso daquele jeito. Que dó. Um poeta que sempre prezou tanto pela liberdade...

Tardes em Itapuã IV - Orixás

O tempo virou mesmo. Os últimos dias foram  de vento forte e chuva. Muita chuva. O povo daqui diz que fui eu, a curitibana, que trouxe esse temporal fora de época pra cá. Poderosa eu. Só não consegui fazer o tempo esfriar.  Tudo esquenta por aqui...
A pousada tem uma biblioteca. A maioria dos livros é de engenharia e no idioma esloveno. Na pousada Poesia, na rua da Poesia não tem livros de poesia. Pode? Inconcebível. Já registrei minha queixa e os simpáticos donos da pousada vão tratar de por poesia nas prateleiras e paredes.  Começando pelos meus livros de deixei eles.
Tempo feio...
_ O Tempo dá, o Tempo tira, o Tempo passa e a folha vira.

Quem me falou isso foi uma soteropolitana chamada Jacira...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...